Bem-Vindo
Bem-Vindo a rede de lojas Mestre-Cervejeiro.com. Desde 2004 promovendo a Cultura Da Cerveja
Saiba Mais
Lojas
Mais de 60 lojas em Todos o Brasil. Conheça as nossas lojas e as suas localidades.
Saiba Mais
Cervejas e Produtos
Oferta de mais de 1000 cervejas e uma diversidade de presentes e acessórios da Cultura da Cerveja
Saiba Mais
Produtos da Marca
Cervejas e Produtos de alta qualidade da marca Mestre-Cervejeiro.com, exclusivos para a nossa rede.
Saiba Mais
Seja um Franqueado
Invista no mercado em plena expansão de cervejas artesanais. Conheça o nosso sistema de franquia.
Saiba Mais
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • Bem-Vindo
  • Lojas
  • Cervejas e Produtos
  • Produtos da Marca
  • Seja um Franqueado

Galeria de Fotos

São mais de 60 lojas em todo o Brasil, com uma oferta de 1000 rótulos de cerveja cadastradas, cada loja operando com 150 a 350 rótulos, e uma diversidade de presentes e acessórios da Cultura da Cerveja.
  • Desde 2004 no mercado
    O Mestre-Cervejeiro.com promove a Cultura da Cerveja há 12 anos. Sempre através de conteúdo e atendimento focado no cliente.
  • Ambiente para todos
    As nossas lojas estão abertas para todo tipo de público, do curioso ao cervejeiro experiente. Todos são bem vindos, inclusive crianças e também os bichinhos de estimação.
  • Os mais diversos estilos
    As cervejas também são para todos os gostos, dos mais diversos estilos, das nacionais de micro cervejarias e as importadas. O que importa é a diversidade e a qualidade.
  • Tomadas e Wi-Fi
    As lojas além da grande oferta de produtos, espaço para degustação, também contam com bancadas com tomadas e wi-fi aberto para os clientes. Já pensou em variar o seu ambiente de trabalho?
  • Viva a Cultura da Cerveja!
    A cerveja não se limita ao copo, saiba mais sobre a bebida de maior consumo do planeta. Acesse o nosso conteúdo sobre cerveja, exclusivo feito por nós, que é referência no mercado cervejeiro.

Mestre-Cervejeiro.com Escritório Central
Atendimento de seg a sex das 9h as 18h.

41 3117-9155

Lojas: para horários de funcionamento, verifique com cada localidade

Rótulos e descrições sensoriais de cervejas artesanais podem por vezes conter termos históricos e técnicos um tanto obscuros para quem está começando a se aprofundar neste maravilhoso universo. Sabemos que isto pode muitas vezes gerar confusão, causando até mesmo estranheza ou rejeição por falta de conhecimento sobre os variados termos cervejeiros – aromas animais? Ésteres? Munich HELL, isso é coisa do capeta?!

Para tentar desmistificar alguns destes termos, montamos este pequeno glossário com os termos cervejeiros mais comumente encontrados por aí. Lembrando que exitem muitos outros e o intuito deste artigo não é destrinchar exaustivamente cada um, mas sim apenas passar uma definição básica para quem tem curiosidade sobre o tema.

Confira abaixo alguns dos principais termos cervejeiros e bons estudos!


Glossário de termos cervejeiros

  • A
  • B
  • C
  • D
  • E
  • F
  • G
  • H
  • I
  • J
  • K
  • L
  • N
  • M
  • O
  • P
  • Q
  • R
  • S
  • T
  • U
  • V
  • W
  • X
  • Y
  • Z

ABV: Sigla de Alcohol by Volume, "Álcool por Volume" em inglês. É definido como o volume em ml de etanol puro em 100 ml de uma solução a 20°C. Ou seja, uma cerveja com 10% de ABV contém 10 ml de etanol puro a cada 100 ml de cerveja.


Adjunto: No contexto de produção de cervejas, considera-se adjunto qualquer ingrediente que não seja água, malte, lúpulo ou levedura. Quase tudo pode ser um adjunto: grãos não maltados, açúcares, frutas, flores, ervas, especiarias etc.


Ale: Uma das três grandes famílias cervejeiras. Agrupa todos os estilos produzidos com leveduras Ale (também conhecidas como de alta fermentação), geralmente da espécie Saccharomyces cerevisiae. Esta levedura trabalha em temperaturas mais elevadas, entre 15 e 25°C e caracteriza-se pela produção de ésteres frutados.

Atenuação: A atenuação diz respeito a quanto dos açúcares fermentáveis do mosto de fato foram consumidos pela levedura. Uma determinada cerveja, quando bem atenuada, tenderá a ser mais seca (ou seja, menos doce) e/ou mais alcoólica do que quando for pouco atenuada.

Brassagem: Sinônimo de maceração dos maltes, etapa na qual os açúcares são extraídos dos grãos através da atuação de diferentes enzimas ativadas pelo aquecimento da água em diferentes temperaturas.

Belgian Lace: Resíduo de espuma que se prende à parede das taças, muito comum em cervejas belgas. Sua presença é indicativo de boa qualidade.

Brettanomyces: Gênero de levedura empregada na produção de alguns estilos de cerveja e vinho, "prima" das Saccharomyces que são mais comumente utilizadas. Produz ácido acético – considerado defeito em alguns estilos e desejável em outros – e compostos aromáticos com notas animais (couro, estábulo etc).

Candy sugar: Açúcar invertido cristalizado. É um adjunto utilizado principalmente nos estilos da Escola Belga com o intuito de potencializar o teor alcoólico de uma cerveja, porém sem aumentar seu corpo. Existem diversas variedades de cores de Candy Sugar, cada uma mais adequada a determinado estilo.

Carbonatação: Teor de gás carbônico (dióxido de carbono - CO₂) presente na cerveja.

Cervejaria cigana: Cervejaria que não tem fábrica própria, ou seja, terceiriza sua produção na fábrica de outra cervejaria.

Chill Haze: Termo em inglês para Turbidez a Frio, é um defeito meramente estético (não altera aroma ou sabor) e aceitável em muitos estilos quando servidos em baixas temperaturas. Acontece quando alguns elementos presentes na cerveja (proteínas, taninos e polifenóis) reagem entre si, aglutinando-se.

Drinkability: Termo subjetivo usado para descrever o quanto uma cerveja é fácil de beber. Uma cerveja com baixo drinkability sacia ou torna-se enjoativa mais rapidamente do que uma com alto drinkability. Importante lembrar que este termo não reflete qualidade técnica ou sensorial, pois uma cerveja com baixo drinkability pode mesmo assim ser de excelente qualidade.

Dry Hopping: Técnica originada na Inglaterra e hoje muito utilizada em cervejas da escola americana. Trata-se da adição de lúpulo seco (por isso o termo "Dry Hop") nas etapas frias de produção.

EBC: Sigla de European Brewery Convention, "Convenção Europeia de Cervejarias" em inglês. Junto com a SRM, é uma das escalas mais utilizadas para medir a cor das cervejas atualmente. Avalia a cor de cervejas medindo o comprimento de onda da luz ao passar por 1 cm³ de cerveja. Nas cervejas seu espectro vai de aprox. 4, que seria uma cor amarelo-palha como em uma Berliner Weisse, até 80, que seria preto opaco como em uma Imperial Stout.

Ésteres: Compostos químicos responsáveis pelos variados aromas frutados presentes caracteristicamente nos estilos belgas como Belgian Tripel, Belgian Dubbel e Belgian Dark Strong Ale. Podem remeter a diferentes frutas como banana, damasco, pêssego, banana-passa, figo, ameixas etc.

Fenóis: Compostos químicos responsáveis pelos aromas de cravo-da-índia e noz moscada nas cervejas.

Fermentação: Processo no qual a levedura consome os açúcares fermentáveis do mosto, transformando-os em álcool etílico e gás carbônico (dióxido de carbono - CO₂).

FG: Sigla de Final Gravity, "Gravidade Final" em inglês. Refere-se à densidade da cerveja após a fermentação.

Goblet: Modelo de taça tipo Cálice, indicada para cervejas de estilos Trapistas.

Graus Plato (°P): Unidade de densidade comumente encontrada em cervejas tchecas. Esta escala mede a quantidade de açúcares no mosto em proporção à água. Ou seja, uma cerveja com 14°P tinha 14% de sua massa em açúcares e 86% de água antes da fermentação (gravidade original - OG).

Growler: Garrafão para transporte de cerveja. Geralmente feito de cerâmica, vidro ou aço inox. Existem growlers de diferentes capacidades, sendo o mais comum entre 1 e 3 Litros.

Hectolitro (hl): Medida de volume que representa 100 Litros. É frequentemente utilizada para descrever volume de produção industrial de cerveja.

Helles / Heller: Hell significa "claro" em alemão. Portanto, a tradução de Munich Helles significa "Clara de Munique", assim como Heller Bock significa "Bock Clara". A variação no fim das palavras se deve à declinação dos adjetivos no idioma alemão.

Hidromel: Bebida fermentada à base de mel. Existem diversas variações com adição de frutas (Melomel), ervas e especiarias (Metheglin), cereais maltados (Braggot), entre outras.

Homebrewing: Prática de produção caseira de cervejas. Quem pratica este hobby é denominado homebrewer, ou cervejeiro/a de panela.

IBU: Sigla de International Bitterness Unit. É uma escala para medir o amargor nas cervejas, sendo que 1 IBU = 1 mg de alfa ácido (α-ácido) isomerizado por Litro de cerveja.

Lactobacillus: Gênero de bactérias que contribuem para a fermentação de alguns tipos de cerveja, como as Berliner Weisse. Normalmente conferem às cervejas acidez e perfil láctico.

Lager: Uma das famílias cervejeiras. As Lagers são também chamadas de cervejas de "baixa fermentação". Engloba estilos como Bohemian Pilsner, Schwarzbier, Doppelbock, entre outros.

Lambic: Uma das famílias cervejeiras. Trata-se de cervejas produzidas através de fermentação espontânea, com as leveduras presentes no ar. Engloba estilos como Gueuze, Faro e Kriek Lambic.

Levedura: Também chamada de levedo ou fermento. Termo genérico para as diversas espécies de fungos unicelulares responsáveis pelo consumo de açúcares fermentáveis – presentes no mosto de cervejas, vinho e massas de pão, por exemplo –, transformando-os em álcool etílico e gás carbônico (dióxido de carbono - CO₂). A origem da palavra vem do latim levare, que significa "crescer" ou "fazer crescer".

Lovibond (°L): Antiga escala de cor desenvolvida por Joseph Lovibond na década de 1860. A escala, orginalmente desenvolvida para avaliar a cor de gases porém depois utilizada para avaliar a cor de diversos óleos, produtos químicos, alimentos e bebidas, consistia em diversos discos de vidro tingido. Seu espectro é muito próximo ao da escala SRM, mais recente e precisa.

Lúpulo: Espécie de trepadeira que produz flores empregadas na fabricação de cerveja por serem ricas em uma resina que traz amargor e aroma às cervejas.

Lúpulos nobres: Apelido dado às variedades de lúpulos tradicionais da Alemanha, República Tcheca e outras regiões produtoras de lúpulo da Europa Continental. De modo geral apresentam aromas florais e terrosos, característicos dos estilos da Escola Alemã / Tcheca. Entre alguns lúpulos nobres estão Tettnanger, Hallertau, Saaz e Strisselspalt.

Malte: Matéria-prima rica em açúcares fermentáveis produzida a partir da germinação e secagem de diferentes grãos, geralmente cevada e trigo.

Maltose: Subproduto da hidrólise do amido e principal substância de reserva energética de células vegetais, composta por duas moléculas de glicose. É o principal açúcar presente nos grãos germinados (malte), por isso recebeu o nome Maltose.

Maturação: Processo após a fermentação no qual a cerveja é mantida em torno 0°C por algumas semanas para sedimentar todas as partículas sólidas e "arrendondar" os sabores. Muitas vezes adjuntos como frutas, ervas e especiarias são adicionados nesta etapa, assim como o dry-hopping.

Mosto: Líquido resultante da maceração dos maltes e fervura dos lúpulos, rico em açúcares, que quando fermentado torna-se cerveja.

Off Flavor: Defeito sensorial encontrado nas cervejas devido à falhas de produção, armazenamento, transporte e/ou serviço.

OG: Sigla de Original Gravity, "Gravidade Original" em inglês. Refere-se à densidade do mosto antes da fermentação.

Ounce (oz.): Unidade de volume do Sistema Imperial utilizado pelos EUA e alguns outros países, chamada de "onça líquida" em português. Uma onça líquida equivale a aproximadamente 29,5 ml, portanto uma garrafa de 12 oz. (354,8 ml) equivale a uma garrafa long neck (355 ml).

Pasteurização: Processo de esterilização de alimentos como cerveja, leite e queijos, desenvolvido por Louis Pasteur em 1864. Consiste no aquecimento do produto abaixo de seu ponto de ebulição por alguns minutos e subsequente resfriamento.

Pint: Modelo de copo tradicionalmente utilizado em Pubs ingleses e, posteriormente, bares norte-americanos devido à sua grande capacidade e por ser facilmente empilhável. O nome vem de uma unidade de volume do Sistema Imperial Britânico referente a 1/8 de um galão. Os pints ingleses, chamados de Nonic Pint, tem capacidade de 568 ml, enquanto os pints americanos, chamados de Shaker Pint, tem capacidade de 473 ml. Esta diferença em volume reflete a diferença do volume de um galão nos sistemas imperiais de cada país, que é aprox. 20% menor nos EUA.

Refermentação na garrafa: Nas cervejas refermentadas na garrafa, também chamadas de condicionadas em garrafa (em inglês bottle-conditioned), ocorre um fermentação secundária dentro da embalagem. A cerveja é engarrafada sem ser filtrada e, quando necessário, com uma pequena carga adicional de açúcares (priming). Neste processo as leveduras continuam trabalhando após o envase, gerando naturalmente mais gás carbônico. Geralmente são cervejas bem carbonatadas e quase sempre apresentarão sedimentos no fundo da garrafa. Este processo é muito comum em cervejas belgas.

Reinheitsgebot: Nome em alemão da Lei de Pureza Alemã, promulgada em 1516 pelo Duque Guilherme IV da Baviera. Determinava que apenas três ingredientes eram permitidos na produção de cerveja: água, malte e lúpulo. Está em vigência até hoje, com diversas atualizações como a inclusão da levedura, na época desconhecida.

Saccharomyces: Nome científico do gênero de leveduras responsáveis pela fermentação da maioria das cervejas.

Sazonal: Cerveja sazonal é aquela cuja produção é atrelada a determinada data ou época do ano. Exemplos incluem cervejas de Natal, Páscoa, Inverno, Verão, Halloween, etc.

Session: As cervejas Session (não confundir com Saison, que é um estilo da escola Belga) são versões de qualquer estilo, mantendo-se as demais características como aromas e gostos, porém com teor alcoólico reduzido. É possível produzir uma cerveja Session a partir de qualquer estilo, como por exemplo Session IPA, Session Pilsen ou Session Porter. Até mesmo Session Saison!

Sedimento: Depósito de partículas geralmente encontrado no fundo de garrafas de cervejas não filtradas. Em alguns casos, como nas Hefeweizen, compõe o perfil sensorial da cerveja. Em outros casos, como na maioria das cervejas belgas, deve ser deixado na garrafa sem misturá-lo à cerveja.

SG: Sigla de Specific Gravity, "Gravidade Específica" em inglês. Trata-se de uma escala de medição de densidade que compara a massa de um determinado líquido com a massa do mesmo volume de água. No contexto da produção de cervejas pode se referir a uma medição de densidade em qualquer etapa do processo produtivo, porém geralmente é usada como sinônimo de OG.

Sidra: Bebida fermentada à base de maçã.

Single Hop: Termo que pode ser traduzido como "Lúpulo Individual". Refere-se a cervejas que utilizam apenas uma variedade de lúpulo em sua receita.

Single Malt: Termo que pode ser traduzido como "Malte Individual". Refere-se a cervejas que utilizam apenas uma variedade de malte em sua receita.

SMaSH: Sigla de Single Malt and Single Hop, "Malte Individual e Lúpulo Individual" em português. Refere-se a uma cerveja produzida com apenas um tipo de malte e apenas um tipo de lúpulo.

Snifter: Modelo de taça baixa, bojuda e com boca fechada, como uma taça de conhaque. É indicada para cervejas aromáticas, complexas e alcoólicas.

Sommelier ou Sommelière: Profissional especialista sobre a história, características sensoriais, harmonizações e serviço dos diferentes estilos de cerveja. Existem também Sommeliers (homens) e Sommelières (mulheres) de outras bebidas como vinho e chá.

SRM: Sigla de Standard Reference Method, "Método de Referência Padrão" em inglês. Junto com a EBC, é uma das escalas mais utilizadas para medir a cor das cervejas atualmente. Avalia a cor de cervejas medindo o comprimento de onda da luz ao passar por 1 cm³ (= 1 ml) de cerveja. Nas cervejas seu espectro vai de aprox. 2, que seria uma cor amarelo-palha como em uma Berliner Weisse, até 40, que seria preto opaco como em uma Imperial Stout.

Tanino: Polifenol de origem vegetal, abundante nas partes lenhosas de plantas e em frutos verdes (não maduros). Traz sensação de adstringência e amargor.

Tina de mostura: Recipiente onde ocorre a brassagem, ou maceração dos maltes. Geralmente em microcervejarias tem capacidade de 250 a 2.000 Litros.

Tumbler: Modelo de copo de paredes retas e espessas, com fundo oitavado. Indicado para Witbiers, cervejas de trigo da escola belga.

Turbidez: Redução da transparência de um líquido. Nas cervejas é comum encontrar turbidez devido a presença de leveduras (por não serem filtradas) e partículas de lúpulo (geralmente quando emprega-se a técnica de dry hopping) em suspensão. Em alguns casos pode ocorrer também devido ao Chill Haze ("Turbidez a frio" em inglês).

Trub: Sedimento deixado pelo lúpulo após a fervura e pelas leveduras dormentes após o término da fermentação.

Wet Hopping: Processo similar ao Dry Hopping, com a diferença de serem utilizados lúpulos frescos e não processados ao invés de lúpulo seco ou em pellets.

Zitologia: O estudo da cerveja. O nome vem do grego "Zythos", palavra usada pelos egípcios para se referir a cerveja.


E aí, sentiu falta de algum termo? Sobrou alguma outra dúvida? Precisa de indicação de algum recurso mais aprofundado? Conte pra gente nos comentários e tentaremos ajudar!