Nesta segunda parte do artigo “Por que cervejas artesanais são mais caras”, esclarecemos o fator que talvez seja o mais determinante nos preços elevados das cervejas artesanais no Brasil: os impostos.

PARTE II – IMPOSTOS

Adaptado de palestra proferida por Murilo Foltran, da DUM Cervejaria, no dia 03/06/2014

cervejas-artesanais_impostos

OK, vimos na primeira parte deste artigo como as peculiaridades do processo produtivo das cervejas artesanais fazem com que seu custo seja mais elevado em comparação às cervejas massificadas.

Agora vamos entender como este custo se transforma no valor que você, consumidor, paga no ponto de venda.

Vamos considerar um preço de produção de R$ 5/Litro. Não parece muito, certo? Pois com a cervejaria vendendo a este preço, você acaba pagando R$ 14,79 em um copo de 500ml – e isso sem exageros por parte dos intermediários ou do ponto de venda.

Para entender como isso acontece, vamos conferir os impostos que incidem sobre o nobre líquido.


Impostos que incidem sobre a cerveja:

  • PIS – tabelado por litro/garrafa
  • Cofins – tabelado por litro/garrafa
  • IPI – tabelado por litro/garrafa
  • ICMS – percentual que varia de estado para estado
  • ICMS-ST (Substituição Tributária) – percentual que varia de estado para estado

Para o cálculo precisamos:

  • Custo do produto
  • Margem que será aplicada
  • Estado produtor
  • Estado que vai comercializar

Calculando o preço, considerando o estado do Paraná (ICMS = 29%):

Valor de venda R$ 5,00--
PIS R$ 0,0263
Cofins R$ 0,1253
IPI R$ 0,1579
ICMS (PR = 29%) R$ 2,10--


Para venda da cervejaria para o consumidor final:

Valor sem ICMS = Valor de venda + PIS + Cofins = R$ 5,00 + R$ 0,0263 + R$ 0,1253 = R$ 5,1516
Valor com ICMS = Valor sem ICMS / (100% – ICMS) = R$ 5,1516 / (100% – 29%) = R$ 7,2557
Valor da nota = Valor com ICMS + IPI = R$ 7,2557 + R$ 0,1579 = R$ 7,4136


Variação do preço para o consumidor final entre os estados por conta das alíquotas diferentes de ICMS:

Estado (ICMS) PR (29%) SC(25%) RS (25%) SP (18%)
Valor de venda R$ 5,00-- R$ 5,00-- R$ 5,00-- R$ 5,00--
PIS R$ 0,0263 R$ 0,0263 R$ 0,0263 R$ 0,0263
Cofins R$ 0,1253 R$ 0,1253 R$ 0,1253 R$ 0,1253
ICMS R$ 2,10-- R$ 1,8688 R$ 1,8688 R$ 1,13--
IPI R$ 0,1579 R$ 0,1579 R$ 0,1579 R$ 0,1579
Total impostos R$ 2,4095 R$ 2,0267 R$ 2,0267 R$ 1,4395
Preço com impostos
(venda ao consumidor final)
R$ 7,4095 R$ 7,0267 R$ 7,0267 R$ 6,4395


Ok, e no caso de vendas para revendedores (distribuidoras e representantes)?

Neste caso há a inclusão do ICMS-ST, a chamada Substituição Tributária, no preço de venda. Isso acontece pois o produtor é forçado a pagar a tributação pela cadeia inteira, evitando fraudes fiscais na cadeia de distribuição.

Há duas formas de calcular: Pauta e Margem de Valor Agregado (MVA). A Pauta é definida pela Secretaria do Estado onde a cerveja será vendida. A MVA é definida como 140% do preço de venda da cervejaria com impostos.


Cálculo do ICMS-ST com MVA:

Preço de venda da cervejaria com impostos = R$ 7,40
MVA para o consumidor final = 7,40 x 240% = R$ 17,78
ICMS-ST devido = R$ 17,78 x 0,29 = R$ 5,15

A cervejaria já pagou R$ 2,10 de ICMS, o que deve ser subtraído do total devido:

R$ 5,15 – R$ 2,10 = R$ 3,05

Então o preço de venda da cervejaria com impostos + ICMS-ST fica:

R$ 7,40 + R$ 3,05 = R$ 10,46


Cálculo do ICMS-ST com Pauta:

Preço de venda da cervejaria com impostos = R$ 7,40
Pauta para o consumidor final* = R$ 10 (valor definido a fim de exemplo)
ICMS-ST devido = R$ 10 x 0,29 = R$ 2,90

A cervejaria já pagou R$ 2,10 de ICMS, o que deve ser subtraído do total devido:

R$ 2,90 – R$ 2,10 = R$ 0,80

Então o preço de venda da cervejaria com impostos + ICMS-ST fica:

R$ 7,40 + R$ 0,80 = R$ 8,20

*O valor da Pauta aumenta automaticamente a cada trimestre.


Comparando Pauta e MVA:

PAUTA:
Preço de venda com Pauta = R$ 8,20
Considerando frete da distribuidora como R$ 0,50/Litro = R$ 8,70
Considerando mark-up padrão da distribuidora de 35% = R$ 11,76
Considerando mark-up padrão de bares de 100% = R$ 23,52
Preço final no bar (copo de 500 ml) = R$ 11,76
MVA:
Preço de venda com MVA = R$ 10,46
Considerando frete da distribuidora como R$ 0,50/Litro = R$ 10,96
Considerando mark-up padrão da distribuidora de 35% = R$ 14,79
Considerando mark-up padrão de bares de 100% = R$ 29,58
Preço final no bar (copo de 500 ml) = R$ 14,79

Então está explicado. Esse assunto ainda daria muito pano pra manga, pois além da grande incidência de tributos (chegando a mais de 60% do total), a história fica mais complexa quando se considera descontos de ICMS, descontos na Pauta, lobby das grandes cervejarias, dificuldades da logística brasileira, prazos de pagamento (quanto estes de fato ocorrem), recolhimento antecipado de impostos…. ufa! Ser cervejeiro no Brasil não é nada fácil.

Ainda bem que existem tantos malucos por aí dispostos a batalhar para nos oferecer alternativas mais saborosas, aromáticas e mais cheias de personalidade do que o padrão massificado que foi a nossa única opção por tantos anos.

Viva a Cultura da Cerveja, viva os Cervejeiros e Cervejeiras do Brasil.

À nossa saúde!


Curtiu? Baixe o infográfico AQUI!


35 Comments

  1. Muito bão! Como havia dito no post anterior, vou dar meus centavos do porque o custo da breja de larga escala é mais barata. Certamente você falou, o fator principal é a química ou melhor, a receita, para ficar mais legal. A produção em larga escala seria inviável se não fosse os components que usam para produzir e conservar. Ambas tem impostos o que varia é o local.
    Um outro ponto é a distribuição. Uma mesma empresa tem várias fábricas espalhadas pelo país e a mesma empresa fabrica várias receitas.
    Porem quando falamos de cerveja artesanal, não estamos falando apenas da fabricação de um “suco”. A cerveja artesanal tem toda a magia e dedicação do cervejeiro em fazer algo de qualidade, algo que ele seja lembrado a cada gole. Então o que deixa a cerveja artesanal mais cara? A qualidade! E vale o preço.

    1. William, obrigado pelo comentário!

      Como tudo na vida, não existe uma resposta simples e única para esta questão, é uma soma de fatores. Mas como você diz, a qualidade do produto realmente é um dos principais.

      Esse ponto da distribuição que você menciona é muito influente nos preços também. A competência central e foco desses grandes grupos cervejeiros é justamente logística e distribuição, e não produção de cerveja.

      O desafio das micro, ao meu ver, é alcançar este nível de excelência em gestão das grandes — sem perder o foco na qualidade 😉

  2. Pedro, voce poderia me explicar como voce calculou os impostos IPI, PIS e COFINS?
    Me menciona que é uma tabela, certo?
    Voce poderia me passar esta tabela ou me indicar onde consigo?

    E voce sabe me dizer se o processo é o mesmo para as cervejas importadas?

    Abracos

    1. Fabricio, beleza?

      A tabela apresentada foi baseada nos valores pagos por uma cervejaria em um Regime especial de tributação para bebidas frias, chamada de Refri. Existe uma seção para este regime no site da Receita Federal, porém o link para a tabela não funciona.

      O melhor recurso que encontrei foi este link, porém não sei dizer se está atualizado: http://www.receita.fazenda.gov.br/legislacao/ins/2009/in9502009.htm

      Na dúvida, o ideal é sempre consultar um contador, pois além das constantes atualizações existem várias especificidades que podem alterar os valores de empresa para empresa.

      Não sei informar se o processo é similar para produtos importados, porém certamente há ainda a incidência de pelo menos o Imposto de Importação (II). Encontrei um bom recurso para entender mais sobre isso: http://www.brasilexport.gov.br/consulte-normas-tributarias

      Obrigado pelo comentário, abraço!

  3. Negócio já tá feio… dono do boteco jogando 100%, aí ferra com tudo. Garanto q se cobrassem uns 50% tirariam a diferença na quantidade, mas BrazilHue é isso mesmo: salve-se quem puder. Bora fazer cerveja em casa.

    1. O negócio tá feio pra todo mundo Roger! Tem bares que jogam uma margem absurda nas cervejas, mas 100% é mais ou menos o padrão geral para bebidas.

      Imagine que para comida a margem chega a 400%, 500%…. E aí que eles ganham dinheiro, não com as cervejas (de modo geral).

      E vale lembrar que bares tem um custo fixo altíssimo. Pondo na ponta do lápis fica difícil praticar margens menores.

      Abs!

  4. No início do texto vocês colocam o preço de produção por litro como R$5,00 e depois utilizam esse valor para os cálculos como o custo. Vocês já assumem que nos R$ 5,00 já está a margem de lucro da cervejaria?

    1. Fernando, os R$ 5,00 são apenas para “facilitar” o cálculo, e incluem sim o lucro da cervejaria.

      No entanto, na prática, dificilmente uma microcervejaria chega a este custo relativamente baixo com seus produtos.

      Abs!

  5. Muito bom o post. Na questão de Brewpubs como que funciona a questão dos impostos, é o mesmo processo? Ouvi dizer que é mais vantajoso criar uma cervejaria e pub separados. Abraço

    1. Valeu Lucas! A legislação brasileira não prevê o modelo de Brewpub. Até onde eu sei é necessário criar duas empresas separadas, a cervejaria e o bar, e neste caso o texto se aplicaria apenas à “metade” da cervejaria. Mas talvez haja especificidades dependendo da região / lei de zoneamento municipal / interpretação dos fiscais dos órgãos reguladores / etc. O ideal é contatar um contador e/ou um advogado especialista para orientar nestas questões. Abs!

  6. Pedro, para o modelo de cervejaria “cigana” que nao tem sua propria fabrica e terceiriza essa producao, o melhor seria enquadrar esta empresa como distribriudora e comercio de bebidas ou mesmo como industria e comercio de bebidas, em se falando de impostos a serem pagos para esta producao terceirizada?
    Abss

    Rafael

    1. Rafael, no caso de uma cervejaria cigana você não precisa registrar como indústria, apenas como distribuidora. Você contratará uma cervejaria (indústria) para produzir uma determinada receita (que será registrada por esta cervejaria) e então “apenas” revenderá aquele produto aos pontos de venda com o seu rótulo.

      De qualquer forma, sempre consulte um contador para saber qual é a melhor maneira de enquadrar o seu negócio.

      Abs!

  7. Olá Pedro,

    Você tem algum dado que diga o percentual de cada máteria prima no custo da produção do litro da cerveja? Sei que existem diversos tipos de cerveja, mas poderia ser um exemplo comum, como de uma pilsen, quanto seria gasto para produzir um litro de cerveja ( em malte, lúpulo, água, custos de produção), mas estou mais interessado na matéria prima.

    Meu objetivo é ter uma ideia rápida de qual o valor do custo total de produção da cerveja, penso em montar uma estrutura pra produzir 3 mil litros por mês inicialmente, mas estou estudando sobre assunto ainda, nunca produzi cerveja e ainda estou aprendendo alguns detalhes e me informando sobre estrutura das microcervejarias e equipamentos que preciso comprar. Logicamente vou fazer alguns cursos antes de começar, mas qualquer dica seria válida e sendo mais direto ainda, queria saber quanto é possível lucrar pra produzir uma boa cerveja.

    Ainda estou procurando material sobre a estrutura das microcervejarias pra que seja possível registrar e ter autorização pra vender a cerveja em supermercados, etc. Caso tenha alguma dica, fico agradecido.

    Parabéns pela iniciativa!

    Obrigado!

    1. Fala Lucas!

      Realmente é difícil dizer a porcentagem e custo de insumos porque varia muito de receita para receita e fornecedor para fornecedor. Recomendo que você levante os preços praticados pelos fornecedores de insumos, de acordo com diferentes receitas. O BeerSmith (software usado para montar receitas) tem uma grande base de receitas de diferentes estilos, confira: http://beersmith.com/beer-recipes/

      É importante estudar bem a legislação por trás da regulamentação de uma cervejaria. Seguem abaixo alguns links:

      Instrução Normativa nº 54:
      http://www.ivegetal.com.br/Legisla%C3%A7%C3%A3o%20Referenciada/IN%20N%C2%BA%2054%20de%205%20de%20novembro%20de%202001.htm

      Registro no MAPA:
      http://www.agricultura.gov.br/vegetal/qualidade-seguranca-alimentos-bebidas/bebidas/orientacao-registro-estabelecimentos-produtos

      http://www.agricultura.gov.br/vegetal/qualidade-seguranca-alimentos-bebidas/bebidas

      Recomendo procurar algum consultor com experiência em montar cervejarias, e também conversar com cervejarias já em operação.

      Boa sorte, e sucesso!

      1. Muito obrigado Pedro! Com certeza vai ser de grande ajuda os links que me passou e realmente eu vou procurar alguém com experiência no assunto, fazer alguns cursos e estudar mais.

        Obrigado!
        Abraço!

    1. Salve Marcus!

      O artigo foi escrito baseado nas alíquotas de 2014, e desde então tivemos não apenas reajustes nestas alíquotas como também algumas mudanças na tributação de bebidas frias de modo geral.

      Como o intuito deste artigo é demonstrar o impacto dos impostos no preço final das cervejas, achei melhor mantê-lo como foi escrito originalmente. Porém seria necessário escrever um novo artigo para abordar todas as mudanças que ocorreram desde então. Certamente hoje o impacto é ainda maior.

      Obrigado, abs!

  8. Não sei se entendi direito. A cervejaria paga todos os impostos para garantir? Então a distribuição e os bares passam o preço de 10 para 30 reais e o problema é o imposto?

    1. Bruno, é isso mesmo. A cervejaria paga todos os impostos antecipadamente para evitar qualquer fraude na cadeia. Isso acontece pois há muitos anos atrás era comum fraudes fiscais no transporte de cerveja — isso bem antes da revolução das artesanais.

      Sobre o aumento no preço ao passar pelos intermediários, realmente ele é expressivo. Porém ao avaliar um plano de negócios de distribuidora ou de bar, será possível compreender que estas são as margens que viabilizam o negócio, devido ao alto custo. No caso de bares 100% é uma margem razoável comparando-se com outros produtos, como a comida, onde as margens chegam a 500%.

      Além disso, realmente a carga tributária não é a única responsável pelo preço mais elevado das artesanais. Pessoalmente eu espero que o crescente volume de consumo de cervejas artesanais acabe reduzindo seu custo no futuro. Mas o fato é que hoje os impostos compõem pelo menos 40% (de acordo com este levantamento de 2014, hoje seria até mais) do preço da cerveja. Então é um dos elementos determinantes no cálculo, e uma redução nesta carga aliviaria toda a cadeia de produção e consumo da nossa amada cerveja.

      Obrigado pela contribuição!

  9. O calcanhar de aquiles das cervejarias é o maldito do ICMS e quanto à isso não há muito que se possa fazer. Porém, caso as cervejarias estejam no regime de lucro real, é possível tomar créditos de PIS e Cofins em relação aos insumos (após criteriosa análise, pois a legislação correlata não define o que seriam insumos para fins de crédito de PIS e Cofins). O preço pode não diminuir de modo muito significativo, mas já pode ser alguma coisa, ainda mais em tempos de crise. Fico à disposição!

  10. Anderson Luiz Silva

    Bom dia Pedro,

    Estou montando uma apresentação para a empresa onde trabalho sobre as cervejas artesanais X as cervejas “comerciais”, mas não diferenciar das principais cervejas do mercado que em geral adicionam cereais não maltados em sua produção, mas sim diferenciar de cervejas que são designadas como PURO MALTE. Na sua opinião quais pontos devo abordar para fazer esta diferenciação??

    Outra dúvida, que se possível puder me esclarecer, no comparativo que fez entre o calculo da ST baseado em pauta e o calculo da ST baseado em MVA, dá uma diferença de 27,5% mais caro para a calculada pelo MVA. É isso mesmo?? E como uma cervejaria consegue que seu produto seja calculado a ST através do método da pauta??

    Desde já agradeço a atenção.

    1. Salve Anderson!

      Obrigado pelas boas perguntas.

      Sobre a diferença entre as artesanais e cervejas chamadas “puro malte”:

      – As artesanais se diferenciam pela variedade dos insumos. A maior parte das artesanais utiliza diferentes tipos de malte, com diferentes graus de tosta e perfis sensoriais, enquanto as massificadas “puro malte” utilizam 100% malte pilsen, a variedade mais barata e amplamente disponível, com produção nacional. Vale destacar que existem várias artesanais 100% malte pilsen, e também que utilizam cereais não maltados em sua composição. Este é apenas um dos aspectos que diferencia os dois conceitos mas não é o único.

      – As artesanais, em geral, utilizam muito mais lúpulo do que as massificadas. O lúpulo é um insumo importado que influencia bastante no custo e nas características sensoriais.

      – As artesanais levam mais tempo do que as massificadas para serem produzidas. As massificadas conseguem reduzir muito o tempo de produção de suas cervejas através de equipamentos avançados, insumos proprietários (p. ex. leveduras especiais) e processos produtivos não-tradicionais. As artesanais seguem o processo produtivo tradicional, respeitando o tempo de fermentação e maturação necessários para cada estilo.

      – Para finalizar, possivelmente a maior diferença entre as artesanais e as massificadas: a escala de produção. É natural que o custo por Litro de quem produz 800.000 Litros / mês seja muito menor do custo de quem produz 20.000 Litros / mês.

      Sobre a diferença entre MVA e pauta, ela existe mesmo. Mas existem vários fatores que influenciam para ela ser maior ou menor.

      Quem define a pauta é a Secretaria da Fazenda de cada estado. O recomendável é sempre conversar com um contador especialista no assunto para colocar na ponta do lápis a situação específica em que a cervejaria se encontra.

      Espero ter ajudado, abs!

Post your comment

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>